Varejo brasileiro fecha 2015 com queda histórica de 4,3%, diz IBGE

O varejo brasileiro teve em 2015 a maior queda da história, em meio ao momento de recessão econômica, esse é o primeiro resultado negativo desde o ano de 2003 que vem sendo arrastado pelas perdas em alguns segmentos muito importantes como por exemplo: móveis, combustíveis e eletrodomésticos.

Em 2015, houve uma queda de 4,3% nas vendas em relação a 2014, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na terça-feira (16).

Desde 2001 este é o pior resultado em uma série histórica que se iniciou e foi a primeira queda desde 2003 quando aconteceu um recuo de 3,7%, causado pela economia em forte recessão que foi agravada pela confiança fraca e juros elevados.

Varejo brasileiro fecha 2015 com queda histórica

RECEBA CONTEÚDO EXCLUSIVO NO SEU E-MAIL

Segundo o IBGE, em dezembro a atividade teve um recuo de 2,7% em relação a novembro, esse foi o resultado mais fraco no tempo de um ano, que registrou uma queda de 7,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Em pesquisa realizada pela agência Reuters indicavam expectativas de 2,5% de recuo em comparação mensal e 7,05% de recuo em relação a um ano antes.

Móveis e eletrodomésticos

Segundo informação do IBGE, os móveis e eletrodomésticos tiveram o pior desempenho no volume de vendas nas atividades do varejo em 2015, com uma queda de 14%.

Somente no mês de dezembro, a queda foi de 8,7% em relação ao mês anterior.

Em dezembro houve um aumento de 0,5% nas vendas de combustíveis e lubrificantes, mas fecharam o ano com uma queda de 6,2%.

Teve queda também no grupo de produtos alimentícios, bebidas, fumo, hipermercados e supermercados, o setor que tem maior peso no comércio varejista, teve queda de 1% no mês de dezembro, fechando o ano de 2015 com queda de 2,5%.

O quantidade de vendas no varejo ampliado, que tem no grupo, material de construção de veículos, teve queda de 0,9% no último mês do ano em relação ao mês de novembro, terminando o ano com queda de 8,6%, segundo dados do IBGE.

0 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO